Grito do Ipiranga

Photo : Paul Laurent Bressin

O homem nasceu livre e por toda a parte vive acorrentado.

Jean-Jacques Rousseau

Sonho em prosa
Escrevo em verso
A vida nem sempre é rosa
E o cérebro é perverso
Misturo línguas
Confundo expressões
Os nervos à flor da pele
Contrariam as minhas emoções
Cansei-me de pedir licença para existir
Fartei-me de caminhar nas pontas dos pés
Sapatinhos de lã invisíveis
Já não quero falar baixinho com medo de ferir
As orelhas dos mais sensíveis
A minha voz não vou calar
Abraço as situações imprevisíveis
Com audácia e sem medo
Engulo em seco o pudor
A vida deixou de ser um segredo
Confio na boa esperança
Seja o que for
Oiço o vento da mudança
Vai correr tudo bem
Não perco a fé nem a perseverança
Vai dar certo
Se Deus quiser.


Filipa Moreira da Cruz

29 réflexions sur “Grito do Ipiranga

Les commentaires sont fermés.