Mãe

Reprise

Mãe solteira, mãe casada
Mãe viúva ou divorciada

Mãe leoa, mãe galinha
Mãe corajosa como a minha

Mãe alheia, mãe ausente
Mãe amiga, sempre presente

Mãe cansada, mãe distante
Mãe frustrada e hesitante

Mãe espancada, abandonada
Mãe forte e recuperada

Mãe adúltera e egoísta
Mãe enganada, mas pacifista

Mãe flor, mãe fruto, mãe oceano
Mãe sem pudor que deixa a nódoa cair no pano

Mãe afetos, amor e coração
Mãe calculista e só razão

Mãe jovem, quase irmã
Mãe madura, mas tão sã

Mãe diplomada e estudiosa
Mãe dona da casa e laboriosa

Cada mãe é única e especial
Devendo sentir-se cada dia como tal.

Dedico este poema a todas as mães e, em especial, à minha. Ficou órfã aos 15 anos, passou por quatro cesarianas com anestesia geral (e quase perdeu a vida numa delas), venceu dois cancros e uma Covid severa. Está a tratar-se de um cancro que já se instalou no fígado e nos pulmões.
Quatro filhos em quatro países. Longe da vista, mas sempre perto do coração. Fonte inesgotável de amor, serenidade, otimismo, paz, reconforto e compreensão. O meu porto-seguro. A minha mãe.

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Paul Laurent Bressin

15 réflexions sur “Mãe

Les commentaires sont fermés.