Bruma matinal

Photo : Paul Laurent Bressin

Realidade destorcida
Feridas abertas
Esperança agradecida
Promessas incertas
Silêncios desfeitos
Alma ausente
Sonhos insatisfeitos
Coração doente
Nevoeiro mentiroso
Olhar esquivo
Beijo guloso
Gesto impulsivo
Bruma caprichosa
Futuro incerto
Mão carinhosa
Fim do desacerto.

Filipa Moreira da Cruz

Êxtase da vida

Reprise

Photo : Filipa Moreira da Cruz

Todos os dias acordo
Deambulando nos meus sonhos
Que partilho com o meu amigo
Arrebatador, secreto, fiel

O espírito empurra-me
Por entre as labaredas do passado
Que me perseguem e arrastam
Para essa constante saudade

As trevas da escuridão
As estrelas da noite clara
São confidentes nas horas divididas
Entre o cansaço e a insónia

Tantas vezes hesitei
Lamentei lágrimas
Escondi frustrações
Desafiei monstros

O coração é o único contentamento
O músculo que me mantém viva
Por fora sou ligeireza
Por dentro sou discernimento.

Filipa Moreira da Cruz

Nó na garganta

Reprise

Photo : Filipa Moreira da Cruz

Grito reprimido, palavras não ditas
Sufoco na garganta que asfixia o peito
Mundo virado do avesso, sem eira nem beira
Toxinas à solta que perturbam o sono
E a paz de espírito tão desejada

Corrida contra o tempo, esse senhor doutorado
Que brinca com a nossa paciência
Ilusão de que as posses fazem de nós seres felizes
Despojos de uma vida incompleta
Que nos reclama ninharias

Soltar amarras, libertar os pensamentos
Deixar fluir os sonhos
E ouvir a criança que ainda vive em nós
Esquecer doutrinas e preconceitos
Sob pena de ficarmos sós.

Filipa Moreira da Cruz

Engano d’alma

Reprise

E ao acordar, lá vem a consciência.

Sophia de Mello Breyner Andresen
Photo : Paul Laurent Bressin

Mergulhada num sonho infinito
Imagino-me imortal
Poderosa como mais ninguém
Fecho os olhos e deixo-me levar

O sol é uma bola de fogo ardente
As nuvens são macias e leves
A relva é verde e suave
O céu é um horizonte inatingível

Caminho sozinha
No meio da multidão
Ausento-me das conversas
Fúteis e vazias

Perdura para sempre
O gosto de viver
A alegria de sonhar
O espírito da aventura

Empurro a consciência
Para bem longe
Para o outro lado do mundo
Onde nunca a possa encontrar

Afinal, não passou tudo
De uma ilusão
O sonho é um engano d’alma!
E a razão sobrepõe-se à vida.

Filipa Moreira da Cruz

Azul del Sur

Azul fresco del mar
Magia, alegría y bienestar
Azul sublime del cielo
No sabes lo mucho que te quiero
Azul profundo de mis secretos
Sin subterfugios ni miedos
Azul penetrante de mi alma
Espejo que me devuelve la calma
Azul infinito de mi tierra
Más allá de lo que el mundo encierra.


Filipa Moreira da Cruz

Photos: Paul Laurent Bressin

De passagem

O corpo é apenas um empréstimo para a vida terrestre.
Veste o espírito.
Agasalha a mente.
A alma, essa, é imortal.

La solitudine

La soledad es la gran talladora del espíritu. 

Federico García Lorca

A mis soledades voy, de mis soledades vengo, porque para andar conmigo, me bastan mis pensamientos.

Félix Lope De Vega

Ama tu soledad, y soporta el sufrimiento que te cause. 

Rainer Maria Rilke

Quien no sabe poblar su soledad, tampoco sabe estar solo entre una multitud atareada. 

Charles Baudelaire

Photos : Filipa Moreira da Cruz

Despedindo-me do Outono

Repara que o outono é mais estação da alma do que da natureza.

Carlos Drummond de Andrade

Exatamente como a árvore do outono que não sente o perder de suas folhas nem quando a chuva, a geada e o sol lhe resvalam pelo tronco, e a vida se retira para o mais íntimo e recôndito de si mesma. Ela não morre. Espera.

Hermann Hesse

Photos : Filipa Moreira da Cruz

Poema colorido

Verde é este poema que nos devolve a esperança
Azuis os seus versos onde a minha alma dança
Branco é o silêncio magistral e profundo
De vermelho se veste a raiva que dura um segundo
Cinzentas são as nuvens num dia de tempestade
E de negro se cobre o rosto dos que não encaram a verdade
Rosa é a fragrância das mais belas flores
Violeta é a rainha de todas a cores.

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz

Juicy feelings

Depois da tempestade vem a bonança
Sem a monotonia não haveria mudança
A chuva limpa o corpo e a alma
Trazendo resiliência e calma
Quando termina a dor chega a felicidade
Sem a mentira fica a verdade
Após a infância chega a velhice
Mas antes fazemos muitas tolices
Felizmente!
Sempre!


Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz