…e fiquei a ouvir as ondas do mar…

Deus ao mar o perigo e o abismo deu, mas nele é que espelhou o céu. Fernando Pessoa Sentada numa rochaAnsiando por liberdadeO cenário é mágico E eu respiro serenidade Oiço o bater das ondasO zumzum das abelhasO corropio das gaivotasE o assobio do vento O sol esconde-seEntre a fina brumaE o céu veste-seDe umLire la suite « …e fiquei a ouvir as ondas do mar… »

Êxtase da vida

Todos os dias acordo Deambulando nos meus sonhosQue partilho com o meu amigoArrebatador, secreto, fiel O espírito empurra-me Por entre as labaredas do passadoQue me perseguem e arrastamPara essa constante saudade As trevas da escuridãoAs estrelas da noite claraSão confidentes nas horas divididasEntre o cansaço e a insônia Tantas vezes hesiteiLamentei lágrimas Escondi frustraçõesDesafiei monstrosLire la suite « Êxtase da vida »

Nó na garganta

Grito reprimido, palavras não ditasSufoco na garganta que asfixia o peitoMundo virado do avesso, sem eira nem beiraToxinas à solta que perturbam o sonoE a paz de espírito tão desejada. Corrida contra o tempo, esse senhor doutoradoQue brinca com a nossa paciênciaIlusão de que as posses fazem de nós seres felizesDespojos de uma vida incompletaQueLire la suite « Nó na garganta »

Engano d’alma

E ao acordar, lá vem a consciência. Sophia de Mello Breyner Andresen Mergulhada num sonho infinitoImagino-me imortalPoderosa como mais ninguémFecho os olhos e deixo-me levar O sol é uma bola de fogo ardenteAs nuvens são macias e levesA relva é verde e suaveO céu é um horizonte inatingível Caminho sozinha No meio da multidãoAusento-me dasLire la suite « Engano d’alma »

Sorri para mim

Sorri para mimMostra os teus olhos envergonhadosColhe uma flor no jardimSolta o sorriso desses lábios. Sorri para mimLiberta a gargalhada contidaDá cor às tuas doces facesQue te enchem de vida Sorri para mimJunta a alma à vontadeAgarra a brisa que passaNum dia de tempestade Sorri para mimSó uma vezSorri para mim E diz-me quem és.Lire la suite « Sorri para mim »

Alma

Ó alma desgarradaQue andas por aí à solta.Tropeçando nos desvarios de tanta gente louca. Arranca-me deste corpo,Eu a ti já não pertenço.Quero sobrevoar o mundoPara visitar o que já não conheço. Tristes aqueles que sabem tudoE mais infelizes ainda os que não querem ver.O universo é infinito, mas o fim está tão perto… No deserto,Lire la suite « Alma »

Despojos de uma vida

Passei por este mundo como tantos,Mas amei como tão poucos.Vivi, sem pressa, sem medo, sem prantosFazendo dos dias enfadonhos momentos loucos. Caminhei com os pés bem assentesNesta terra que suavemente me acolheuE me deixou partir livre e sem correntes,Sem me esquecer de tudo o que ela me deu. Finalmente, sou apenas espírito e recordaçãoE umaLire la suite « Despojos de uma vida »

Créez votre site Web avec WordPress.com
Commencer