Portas e janelas

Sou apaixonada por portas e janelas Grandes, pequenas, de ferro ou de madeiraPara mim, todas são belasNunca me sinto sem eira nem beira Porque quando uma se fechaOutra estende-me os braçosUma porta trancada não se rejeitaE eu recebo-a num grande abraçoJanela velha e escaqueiradaEnterrada viva sem dó nem piedadeSofre em silêncio a desgraçadaPortas de casasLire la suite « Portas e janelas »

Uma casa como a minha

Casa é calma e aconchego?Nem sempreHá casas que são desasossegoE distraem a menteLar doce lar?AlgumasNoutras é um inferno lá morarDuvidas?Queres entrar?Bonita e sofisticada por foraQuando entras, sonhas em ir-te emboraOs que lá moram choram em silêncioDa violência fazem um convênioPrefiro a minha casinhaSimples e pequeninaEm cada canto, respira-se magiaE todos os dias são uma alegria.Lire la suite « Uma casa como a minha »

Virados do avesso

É cão, é gatoÉ periquito, é peixe encarnadoÉ gritaria, casa desarrumadaFicamos de pijama. Festa assegurada!É roupa amarfanhada, loiça por guardarDe manhã, não há escolha, temos que trabalharEstudar em casa é o que está a dar!Escola fechada, parque vazioTodos os dias são iguais, mas sem frioSaudades dos avós, triste realidadeEles sim gostam de nós de verdade!QuandoLire la suite « Virados do avesso »

Dona da casa

Porta que abrePorta que fechaPorta que encobreO que ninguém quer que se veja Porta azul, branca, alaranjadaPorta em bom estado, porta escaqueiradaPorta perfeita, sem brestasPorta de casa que dá muitas festas Porta de prédio ou de moradiaPorta vagabunda e vadiaPorta elegante e sofisticadaPorta velha e desajeitada Porta que sabe de onde vemPorta que pretende oLire la suite « Dona da casa »

Casa de papel

Casa de mármore, de cimento, de cartão.Casa de madeira, de pedra, de vidro.Casa de palha, de tecido, de papelão.Casa de tijolo, de ferrugem, sem brilho. Casa debaixo da terra, no cimo da árvore.Casa no sexto andar ou no rés-do-chão.Casa grande, com jardim e piscina.Casa pequenina que cabe na mão. Casa com peixe encarnado,Casa com gato,Lire la suite « Casa de papel »

Orígenes

Quiero beber de tus fuentesRespirar tu aireY volver a ser yo Quiero perderme en tus tierrasAbrazar a mi genteY volver a ser yo Quiero caminar por tus rutasHablar nuestra lenguaY volver a ser yo Quiero cruzar tus ríosBuscar tus tesorosY volver a ser yo Quiero ser niña, joven, viejaVivir cada día sin prisaY volver aLire la suite « Orígenes »

Créez votre site Web avec WordPress.com
Commencer