A porta do paraíso

Reprise

A vida é feita de escolhas
E nossas cúmplices são as folhas
Onde escrevemos a nossa história
Cada dia na Terra é uma vitória
Segue o teu caminho que eu seguirei o meu
Protegida pela natureza e o azul do céu
Quero viver em paz com a minha consciência
Ou numa constante penitência?
Prefiro a empatia e a modéstia
Ou vendo-me ao luxo e à abundância?
Abro a porta de uma prisão
Ou a janela do meu coração?

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz

Beco sem saída

Reprise

Photo : Filipa Moreira da Cruz

Estou num beco sem saída
Encurralada entre quatro paredes
Caminho num túnel sem luz
E a solidão é a minha única companhia

Tu crias a tua melodia
Tu voas com as tuas próprias asas
Tu pintas o teu quadro

Certas palavras são carícias para os ouvidos
Outras apenas ruído
Tu escolhes as que queres ouvir

Há gestos que curam as feridas mais profundas
Outros quase matam, de tão bruscos
Tu escolhes os que queres receber

Tu escreves o teu livro
Tu desenhas o teu esboço
Tu traças o teu caminho

Algumas imagens trazem paz
Mas tantas apenas humilham
Tu escolhes as que queres ver

Existem pessoas que iluminam
Outras que só partilham escuridão
Tu escolhes as que queres ter na tua vida

Não estás num beco sem saída
Não caminhas na sombra
Tens o coração sempre contigo.

Filipa Moreira da Cruz

A porta do paraíso

A vida é feita de escolhas
E nossas cúmplices são as folhas
Onde escrevemos a nossa história
Cada dia na Terra é uma vitória
Segue o teu caminho que eu seguirei o meu
Protegida pela natureza e o azul do céu
Quero viver em paz com a minha consciência
Ou numa constante penitência?
Prefiro a empatia e a modéstia
Ou vendo-me ao luxo e à abundância?
Abro a porta de uma prisão
Ou a janela do meu coração?

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz

Beco sem saída

Photo : Filipa Moreira da Cruz

Estou num beco sem saída
Encurralada entre quatro paredes
Caminho num túnel sem luz
E a solidão é a minha única companhia

Tu crias a tua melodia
Tu voas com as tuas próprias asas
Tu pintas o teu quadro

Certas palavras são carícias para os ouvidos
Outras apenas ruído
Tu escolhes as que queres ouvir

Há gestos que curam as feridas mais profundas
Outros quase matam, de tão bruscos
Tu escolhes os que queres receber

Tu escreves o teu livro
Tu desenhas o teu esboço
Tu traças o teu caminho

Algumas imagens trazem paz
Mas tantas apenas humilham
Tu escolhes as que queres ver

Existem pessoas que iluminam
Outras que só partilham escuridão
Tu escolhes as que queres ter na tua vida

Não estás num beco sem saída
Não caminhas na sombra
Tens o coração sempre contigo.

Filipa Moreira da Cruz