Paradigma Imaginário

…E partiram deste mundo descontentes estas almas que se foram com o vento. As ruas ficaram desertas, cinzentas e sujas. Um cheiro nauseabundo inundou a cidade. Os bancos do jardim empestados de insetos e corroídos pelo medonho bicho da madeira ficaram vazios, desprovidos do sentimento dos que em neles já não se sentam.Vê-se uma luzLire la suite « Paradigma Imaginário »

Quebra cabeças

Alma na lamaLama nos pés Pés descalçosDescalços os sonhosSonhos levados pelo ventoVento áspero e violentoViolento golpe de estadoEstado de bonançaBonança aparenteAparente felicidadeFelicidade que escapa Escapa entre os dedos Dedos mágicosMágicos segundos Segundos escravos do tempoTempo dono e senhor da vidaVida simplesmente… vivida! Filipa Moreira da Cruz

Triste fim de vida

Dedico este texto aos idosos, às pessoa de idade, aos velhotes, aos velhinhos. Deixemo-nos de eufemismos e chamemos-lhes simplesmente… velhos! Cada um deve assumir a sua idade sem medo nem pudor. Mais difícil que envelhecer é aceitar que o corpo muda e a cabeça também, embora a ritmos diferentes. O tempo, às vezes, pode serLire la suite « Triste fim de vida »

Quimera

O tempo não paraO silêncio é coisa raraQueremos o que não temosDesejamos o que já tivemosPercorremos o mundoSem respirar um segundoSomos escravos da multidãoNão sabemo viver com a solidãoVamos longe e não encontramosTudo aquilo que buscamosPorque não olhamosPara o que temos debaixo do nosso narizRegressamos de mãos vaziasCom a alma feita em pedaçosApanhamos os cacosTentamosLire la suite « Quimera »

Vida de cão

Animal pequenino e tristonho.Descuidado, pulguento e abandonado.Os que passavam não lhe achavam graçaE tinham medo de apanhar carraça.Mas a Mathilde não pensava assimE queria o cachorro para si. Sonhou em levá-lo consigo,Dar-lhe banho e um porto de abrigo.O que as crianças desejam acontece.É o poder da mente que obedece.O cachorro cresceu e virou cão.A meninaLire la suite « Vida de cão »

Alma

Ó alma desgarradaQue andas por aí à solta.Tropeçando nos desvarios de tanta gente louca. Arranca-me deste corpo,Eu a ti já não pertenço.Quero sobrevoar o mundoPara visitar o que já não conheço. Tristes aqueles que sabem tudoE mais infelizes ainda os que não querem ver.O universo é infinito, mas o fim está tão perto… No deserto,Lire la suite « Alma »

Sangue, suor e lágrimas

Durante os quase 8 anos que vivi em Paris conheci vários libaneses, tendo ficado amiga de alguns. Recordo-me bem do dono da padaria no XVIème arrondissement e nunca me esquecerei do médico que trouxe ao mundo os meus dois filhos. Os libaneses não viram as costas à pátria e têm prazer em partilhar as históriasLire la suite « Sangue, suor e lágrimas »

A história do Senhor Não

Era uma vez um homem carrancudo, sisudo, mal humorado. Comum, banal, igual a tantos outros. Carrageva o mundo nos ombros e as suas pernas começavam a fraquejar. Vestia-se de preto porque a vida não estava para outras cores. Este homem tinha uma particularidade capaz de o distinguir de todos os outros seres humanos: dizia sempreLire la suite « A história do Senhor Não »

Créez votre site Web avec WordPress.com
Commencer