Ser Criança

Quero ser outra vez criança!
Rebolar na relva e esfarrapar as calças
Comer diretamente do pote e besuntar a boca
Acreditar nas fadas e nos duendes
Ter um amigo especial, invisível e mágico
Para proteger-me dos monstros que me atormentam

Quero ser outra vez criança!
Fazer trinta por uma linha e pintar a manta toda
Desenhar um arco-íris do tamanho do mundo
Abraçar o céu, o sol, o mar e as nuvens
Correr, saltar, rir e brincar
Jogar ao faz-de-conta muito a sério

Quero ser outra vez criança!
Sonhar com os olhos bem abertos
Desfrutar da escola. Hoje e sempre!
Aprender, crescer, renascer, viver
Inventar, criar, imaginar, partilhar
Sem medo, sem preconceitos, sem tabus

Deixem-me ser criança…só mais uma vez!

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz

Verde é esperança

Reprise

Visto-me de verde da cabeça aos pés
Fecho os olhos e conto até três
Paz, serenidade, perseverança
Empatia, solidariedade, confiança
Cair 100 vezes e levantar-se 101
Ter uma mão cheia de nada
E outra de coisa nenhuma
A vida é uma festa, um milagre, uma surpresa
Começa por acaso e acaba depressa.

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz, KaDDD e Paul Laurent Bressin

Mãe

Reprise

Mãe solteira, mãe casada
Mãe viúva ou divorciada

Mãe leoa, mãe galinha
Mãe corajosa como a minha

Mãe alheia, mãe ausente
Mãe amiga, sempre presente

Mãe cansada, mãe distante
Mãe frustrada e hesitante

Mãe espancada, abandonada
Mãe forte e recuperada

Mãe adúltera e egoísta
Mãe enganada, mas pacifista

Mãe flor, mãe fruto, mãe oceano
Mãe sem pudor que deixa a nódoa cair no pano

Mãe afetos, amor e coração
Mãe calculista e só razão

Mãe jovem, quase irmã
Mãe madura, mas tão sã

Mãe diplomada e estudiosa
Mãe dona da casa e laboriosa

Cada mãe é única e especial
Devendo sentir-se cada dia como tal.

Dedico este poema a todas as mães e, em especial, à minha. Ficou órfã aos 15 anos, passou por quatro cesarianas com anestesia geral (e quase perdeu a vida numa delas), venceu dois cancros e uma Covid severa. Está a tratar-se de um cancro que já se instalou no fígado e nos pulmões.
Quatro filhos em quatro países. Longe da vista, mas sempre perto do coração. Fonte inesgotável de amor, serenidade, otimismo, paz, reconforto e compreensão. O meu porto-seguro. A minha mãe.

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Paul Laurent Bressin

A vida é uma festa!

Photo : KaDDD

A vida é uma festa com balões coloridos, foguetes e confetti. Somos nós os anfitriões. Uns usam máscara porque recusam-se a revelar o que lhes vai na alma. Outros preferem um colete à prova de balas, sabendo que os seus manifestos serão alvo de críticas atrozes. Ato de coragem ou estupidez?

A vida é um palco onde os atores sabem o seu papel de cor. Todos eles representam sem sentimento nem emoção. Fobias confundem-se com alegrias e o medo dança, de mãos dadas, com a esperança. Não há limite entre o lógico e o imaginário. Não existem fronteiras entre o que foi, o que virá a ser e o que nunca será.

A vida é uma floresta encantada, habitada por fadas e duendes. Os mais velhos dão-lhe ritmo através de lendas, fábulas e contos. O facilmente adquirido deixa de ter graça e corremos atrás do inatingível. Desafiamos o tempo com arrogância, embora saibamos que nunca conseguiremos recuparar o passado. E é aí que a saudade nos invade, violentamente.

A vida é uma catedral, onde os milagres acontecem, todos os dias. A vida é uma aventura na Amazónia, um desafio nom voo intrépido, uma descoberta singular.

A vida é aqui a agora. Estás pronto para esta viagem?

Filipa Moreira da Cruz

Neve em Saint-Malo

Reprise

Saint-Malo vestiu-se de branco
E recebeu-nos envolta no seu manto
Coisa rara numa cidade que, por uma vez
Não vive ao ritmo das marés
Prefiro o sol, o calor e o mar
Mas fazer o quê? Aproveitar!

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz

13/12/1977 – 44 anos de vida

Nascimento
Crescimento
Resiliência
Persistência
União
Devoção
Viagem
Aprendizagem
Poesia
Fantasia
Liberdade
Saudade
Alguma dor
Muita cor
Interacção
Recordação
Aventura
Ternura
Mudança
Lembrança
Contacto
Sem olfacto
Esperança
Confiança
Alegria
Família
Desilusão
Resolução
Amizade
Suavidade
Sofrimento
Breve momento
Sensibilidade
Verdade
Amor
Humor
Emoção
Gratidão
Visão
Sem precisão
Festa
(In)discreta
Vida
Preenchida.

Filipa Moreira da Cruz

Arco íris de emoções

Balões, serpentinas, música
Fachadas coloridas
E o sol a espreitar pela janela
A vida é uma festa!
Crianças a correr
Gargalhadas estridentes
Idosos sem dores nem mazelas
A vida é bela!
Vento suave e chuva miudinha
Que refrescam num dia quente de Verão
Copos a transbordar de vinho aveludado
Enchem de cor as esplanadas
A vida é deliciosa!

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz

Happy birthday mãe!

Photo : Paul Laurent Bressin

Hoje a minha mãe faz anos. 67 invernos, primaveras, verões e outonos. Uma inspiração e fonte de amor e de resiliência. Mulher sábia, assertiva, ponderada e extremamente lúcida. Tanto que, às vezes, assusta! Nem esta maldita doença que lhe voltou a invadir o corpo a derrota.
Gosto tanto de si mãe! E peço a Deus que a mantenha neste mundo o tempo que for possível. Sem dor nem sofrimento. Sei que está pronta para a grande viagem, mas eu (ainda) não.
Parabéns mãe! E quanto aos muitos anos de vida…que se lixem! Os que já viveu intensamente ninguém lhe tira! Três dos quatro filhos estão aí consigo para celebrar este dia. Falto eu, mas estou quase a chegar.

Filipa Moreira da Cruz

Ser Criança

Quero ser outra vez criança!
Rebolar na relva e esfarrapar as calças
Comer diretamente do pote e besuntar a boca
Acreditar nas fadas e nos duendes
Ter um amigo especial, invisível e mágico
Para proteger-me dos monstros que me atormentam

Quero ser outra vez criança!
Fazer trinta por uma linha e pintar a manta toda
Desenhar um arco-íris do tamanho do mundo
Abraçar o céu, o sol, o mar e as nuvens
Correr, saltar, rir e brincar
Jogar ao faz-de-conta muito a sério

Quero ser outra vez criança!
Sonhar com os olhos bem abertos
Desfrutar da escola. Hoje e sempre!
Aprender, crescer, renascer, viver
Inventar, criar, imaginar, partilhar
Sem medo, sem preconceitos, sem tabus

Deixem-me ser criança…só mais uma vez!

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz

Mãe

Mãe solteira, mãe casada
Mãe viúva ou divorciada

Mãe leoa, mãe galinha
Mãe corajosa como a minha

Mãe alheia, mãe ausente
Mãe amiga, sempre presente

Mãe cansada, mãe distante
Mãe frustrada e hesitante

Mãe espancada, abandonada
Mãe forte e recuperada

Mãe adúltera e egoísta
Mãe enganada, mas pacifista

Mãe flor, mãe fruto, mãe oceano
Mãe sem pudor que deixa a nódoa cair no pano

Mãe afetos, amor e coração
Mãe calculista e só razão

Mãe jovem, quase irmã
Mãe madura, mas tão sã

Mãe diplomada e estudiosa
Mãe dona da casa e laboriosa

Cada mãe é única e especial
Devendo sentir-se cada dia como tal.

Dedico este poema a todas as mães e, em especial, à minha. Ficou órfã aos 15 anos, passou por quatro cesarianas com anestesia geral (e quase perdeu a vida numa delas), venceu dois cancros e uma Covid severa. Está a tratar-se de um cancro que já se instalou no fígado e nos pulmões.
Quatro filhos em quatro países. Longe da vista, mas sempre perto do coração. Fonte inesgotável de amor, serenidade, otimismo, paz, reconforto e compreensão. O meu porto-seguro. A minha mãe.

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Paul Laurent Bressin