Uma casa como a minha

Casa é calma e aconchego?
Nem sempre
Há casas que são desasossego
E distraem a mente
Lar doce lar?
Algumas
Noutras é um inferno lá morar
Duvidas?
Queres entrar?
Bonita e sofisticada por fora
Quando entras, sonhas em ir-te embora
Os que lá moram choram em silêncio
Da violência fazem um convénio
Prefiro a minha casinha
Simples e pequenina
Em cada canto, respira-se magia
E todos os dias são uma alegria.

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Paul Laurent Bressin

Mar adentro

El mar es el vehículo de una existencia prodigiosa y sobrenatural. Es movimiento y amor, es el infinito hecho vida.

Jules Verne

El mar es la gran reserva de la naturaleza. El mundo, por así decirlo, comenzó en el mar, y quién sabe si no terminará en él.

Jules Verne

Photos : Filipa Moreira da Cruz

Metamorphosis

Este corpo mirrado e deformado
Não é o meu
Esta pele baça e enrugada
Não me pertence
Estes passos vagarosos
Não me acompanham
Estes pensamentos melancólicos
Não os reconheço
Dispo-me sem pudor
Liberto-me dos trapos
E de alma lavada
Reinvento o mundo.

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz

« Faz escuro, mas eu canto »

Faz escuro
Mas eu canto
A Terra treme
Mas eu caminho
O céu está coberto de nuvens
Mas eu vejo o sol
Não há barcos
Mas eu navego
Não tenho asas
Mas eu voo
Ninguém toca no coreto
Mas eu danço
A árvore não tem flores
Mas eu sinto a fragrância da Primavera
O pomar não dá frutos
Mas eu estou saciada
Cheira a morte
Mas eu abraço a vida.

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz

¡Vacaciones!

¡Por fin han llegado las vacaciones!
Dos semanas en Portugal y en la vecina España.
Sol, playa y diversión.
Tapas, vino verde y sardinas.
¡Cuidense!
¡Hasta pronto!

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz

Abençoadas férias!

Duas semanas de férias em Portugal e Espanha.
Sol, mar e diversão!
Até breve!
Volto em seguida.

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz

Outono antes do tempo

Reprise

Piso as folhas que deslizam aos meus pés
Sinto a brisa que me gela o corpo
Antecipo a tempestade
Que chega sem avisar
A terra mudou de cor
Vestiu-se de verde e castanho
O Verão amuou
Talvez nos visite no próximo ano.

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz

Pintado de azul

Reprise

Azul intenso, profundo…efémero?
Néctar sublime e adúltero
Espelho grande, imenso, infinito
Que cabe no bolso para estar sempre comigo
Um mar de oportunidades
Um oceano de saudades
Um rio de emoções
Um riacho de sensações
Azul de Norte a Sul, de Este a Oeste
Percorreste o mundo, mas regressaste
Devolveste-me o que perdi
Trouxeste o que te implorei
Do meu universo és rei
E não quero viver sem ti.

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz, KaDDD e Paul Laurent Bressin

Una tarde de verano

En verano
Cielo azul
Flores de todos los colores
Hasta el verde de los árboles parece distinto
En verano
Los días nunca son tristes
Y ni la casa más grande
Nos impide de salir a pasear
En verano
Vive bajo el sol
Nada en el mar
Respira el aire salvaje
En verano
Haz tu maleta
Y viaja por el mundo
Sé el turista de tu vida
Sin irte lejos.

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz

Para si mãe

Reprise

Photo : Margarida Moreira da Cruz

Querida mãe,
Enviou-me esta fotografia da terra que a acolheu
E eu recebo-a com o carinho que sempre me deu
Estes versos são insignificantes
Mas sabe que o amor, esse, é eterno e constante
Regado diariamente com alegria e resiliência
Alheio a futilidades e prepotência
O castelo vigia, do alto da colina
A cidade que é sua e quase minha
E a adorada calçada portuguesa
Tão nossa e cheia de beleza
Traz-me de volta a casa
Sou afortunada!
A água do Nabão corre sem pudor
Dizendo-nos « seja o que for »
As saudades, companheiras eternas
São dolorosas e, ao mesmo tempo, fraternas
Dão-me força e esperança
Vivamos o agora sem medo da mudança.

Filipa Moreira da Cruz