A minha casa é uma prisão

Reprise

Photo : KaDDD

A minha casa é uma prisão
Bonita, sofisticada, ordenada
Com toalhas de linho, loiça de porcelana e copos de cristal.
Com gente elegante e educada
– As crianças? Não as ouço…
– Não se preocupe, não há alvoroço

A minha casa é uma prisão
Numas águas furtadas com uma vista deslumbrante
E um gato sempre a brincar
16 metros quadrados para dormir, cozinhar, ler, escrever e meditar…
Faço tudo para não pirar!

A minha casa é uma prisão
O meu palacete, quer você dizer!
No cimo de uma colina, na parte antiga da cidade
Tanto espaço só para mim,
A última da minha geração
De repente, sinto-me mal, que aflição!
O que me salva é o meu velho cão

A minha casa é uma prisão
Onde dormimos, comemos e brincamos no chão
Os adultos são a autoridade e têm sempre razão!

A minha casa é uma prisão
Rodeada de areia branca e fina
Adormeço ao som do mar
E acordo com ele a dizer-me:
Larga tudo e vem surfar!

A minha casa é uma prisão
Com jardim, piscina, cave e sótão
Onde todos se cruzam, mas ninguém se vê
Cada um sofre em silêncio, mas porquê?!

A minha casa é uma prisão
Feita de madeira e de pedra
Vivo no meio da floresta
Sem televisão, computador ou telefone
Hoje lamento esta decisão!

A minha casa é uma prisão
Com rodas e duas pequenas janelas
Não posso circular, mas não faz mal
Isto vai passar!

A minha casa é uma prisão
Um quarto onde durmo por empréstimo
Numa cidade fria e cinzenta
E onde a chuva não dá tréguas

A minha casa é uma prisão
E de porto em porto vivo
O meu barco está atracado
Para respeitar o que me foi pedido

A minha casa é uma prisão
Lar nunca tive, sou nómada
E os meus pertences cabem em duas malas
Sou solitário e homem de poucas falas

A minha casa é uma prisão
Sem porta nem janelas,
Sem pessoas nem animais
Todos os dias são domingos
Preguiçosos, comuns, banais.

Filipa Moreira da Cruz

As voltas da vida

Photo : Paul Laurent Bressin

É cão, é gato, é pulga e comichão
É uma casa de loucos onde reina a confusão
É fora, é dentro, é sempre a andar
É amor, é alegria, é crescer e partilhar

Vida emocionante e repleta de aventuras
É a desta criança sempre a fazer travessuras

É calor, é sol, é praia e muitos gelados
É a chuva miudinha a deslizar no telhado
É um corropio, é o fim da picada
É o eterno romântico ao lado da sua amada

Vida apaixonante e cheia de aventuras
É a deste jovem que continua a fazer travessuras

É responsabilidade, é trabalho e dinheiro
É um lugar à sombra num mundo muito feio
É esforço, é suor, é escravidão e dedicação
É a falta de concentração para a meditação

Pseudo-vida carente de aventuras
É a deste homem que não tem tempo para fazer travessuras

É tristeza, é desespero, é recusa e solidão
É falta de gente que lhe encha o coração
É medo da doença com cheiro a morte
É deixar de viver, abandonando-se à sua sorte

Fim de vida triste e sem aventuras
É a deste homem que deixou, há muito, de fazer travessuras.

Filipa Moreira da Cruz



Beco sem saída

Reprise

Photo : Filipa Moreira da Cruz

Estou num beco sem saída
Encurralada entre quatro paredes
Caminho num túnel sem luz
E a solidão é a minha única companhia

Tu crias a tua melodia
Tu voas com as tuas próprias asas
Tu pintas o teu quadro

Certas palavras são carícias para os ouvidos
Outras apenas ruído
Tu escolhes as que queres ouvir

Há gestos que curam as feridas mais profundas
Outros quase matam, de tão bruscos
Tu escolhes os que queres receber

Tu escreves o teu livro
Tu desenhas o teu esboço
Tu traças o teu caminho

Algumas imagens trazem paz
Mas tantas apenas humilham
Tu escolhes as que queres ver

Existem pessoas que iluminam
Outras que só partilham escuridão
Tu escolhes as que queres ter na tua vida

Não estás num beco sem saída
Não caminhas na sombra
Tens o coração sempre contigo.

Filipa Moreira da Cruz

Grito do Ipiranga

O homem nasceu livre e por toda a parte vive acorrentado.

Jean-Jacques Rousseau
Photo : Paul Laurent Bressin

Sonho em prosa
Escrevo em verso
A vida nem sempre é rosa
E o cérebro é perverso
Misturo línguas
Confundo expressões
Os nervos à flor da pele
Contrariam as minhas emoções
Cansei-me de pedir licença para existir
Fartei-me de caminhar nas pontas dos pés
Sapatinhos de lã invisíveis
Já não quero falar baixinho com medo de ferir
As orelhas dos mais sensíveis
A minha voz não vou calar
Abraço as situações imprevisíveis
Com audácia e sem medo
Engulo em seco o pudor
A vida deixou de ser um segredo
Confio na boa esperança
Seja o que for
Oiço o vento da mudança
Vai correr tudo bem
Não perco a fé nem a perseverança
Vai dar certo
Se Deus quiser.


Filipa Moreira da Cruz

…e fiquei a ouvir as ondas do mar…

Deus ao mar o perigo e o abismo deu, mas nele é que espelhou o céu.

Fernando Pessoa
Photo : Filipa Moreira da Cruz

Sentada numa rocha
Ansiando por liberdade
O cenário é mágico
E eu respiro serenidade

Oiço o bater das ondas
O zumzum das abelhas
O corropio das gaivotas
E o assobio do vento

O sol esconde-se
Entre a fina bruma
E o céu veste-se
De um azul intenso

O meu corpo não existe
Sou leve como a alma
Não choro, não sofro, não resisto
Não acordo nem adormeço

Sinto-me a navegar
Atravesso mares e continentes
Sobrevoo as montanhas
Embalada pelas ondas do mar.

Filipa Moreira da Cruz

Entre o céu e o mar

A liberdade é um dos dons mais preciosos que o céu deu aos homens. Nada a iguala, nem os tesouros que a terra encerra no seu seio, nem os que o mar guarda nos seus abismos. Pela liberdade, tanto quanto pela honra, pode e deve aventurar-se a nossa vida.

Miguel de Cervantes

A vida sem luta é um mar morto no centro do organismo universal.

Machado de Assis

Homem livre, tu sempre gostarás do mar.

Charles Baudelaire

Photos : Filipa Moreira da Cruz

Costa Azul

Costa azul
Mar esmeralda
Céu violeta
Pele dourada
Asas de borboleta
Areia fina
Labirintos perdidos
Sou teu, és minha?
Jardins escondidos
Promessa desfeita
Pássaros ausentes
Sem eira nem beira
Palavras persistentes
Rocha escarpada
Ruas vazias
A vida é tudo e nada.

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Paul Laurent Bressin

Liberdade

Photo : Filipa Moreira da Cruz

Livre sou de transformar, de brincar
De pensar, de sonhar, de criar, de aceitar
De escrever, de ler, de viver, de sofrer
Livres somos de beijar, de votar, de amar
De estudar, de opinar, de errar, de abraçar
De oferecer, de receber, de poder, de ver
Livre serei de decidir, de cair, de fugir
De rir, de infringir, de resistir, de partir
De permitir, de dicidir, de resistir, de ir
Livres seremos de querer, de ser, de debater
De aprender, de crescer, de correr, de escolher
De sentir, de incluir, de insistir, de fingir
Liberdade somos todos nós
Liberdade tem corpo e voz
Liberdade… ontem, hoje, amanhã
Liberdade amiga, confidente, irmã
Liberdade presente
Liberdade… sempre!

Filipa Moreira da Cruz

Asas de Papel

Reprise

Photo : Filipa Moreira da Cruz

Vive aqui e agora
Arranca as folhas desse livro
Sem sequer lhes tocares
Escreve a tua história
Cheira a fragrância da natureza
Atira bem alto o teu medo
Que teima em perseguir-te
Aceita que a vida é uma supresa
Deixa-te envolver
Pelo que de mais belo te rodeia
E voa
Voa do cimo desse monte
Tens alguma ideia?
Já conquistaste os teus sonhos
Uma aventura de mil e uma noites
Voa com asas de papel
Dá forma à imaginação
Toca nas nuvens de algodão
Saboreia a lua, doce como o mel
E o sol dourado pelo fogo
Despede-te de preconceitos
Veste as cores do globo
Avista ao longe a multidão
E repara como são pequenos
Aqueles que enchem
De coisa nenhuma
Um bolso, uma mão
A vida.

Filipa Moreira da Cruz

Big brother is watching us

Reprise

Photo : KaDDD

Em 1949 o escritor britânico George Orwell publicou o romance « 1984 » no qual relata a vigilância constante e a manipulação levadas a cabo por um Estado totalitário. Nesta metáfora, o Grande Irmão espia, persegue e controla. O partido imaginado por Orwell tem como lema: « Guerra é paz. Liberdade é escravidão. Ignorância é força ». Quanto mais oprimido e ignorante é o povo, mais forte é o Estado. E isto num contexto onde a paz permanente é impossível. Porque nada dura para sempre.

Anos antes, em 1932, um outro escritor britânico escrevia « Admirável Mundo Novo ». Aldous Huxley foi ainda mais longe na premonição das consequências económicas, sociais e políticas da era digital. A história passa-se em Londres, no ano de 2540. E quem diria que parte da ficção se confirmaria oito décadas mais tarde?

Em 2022 atrevemo-nos a pensar que nunca fomos tão livres. Grande ilusão! Criticamos os regimes autoritários, condenamos os atos dos governos opressores, temos opinião sobre tudo. No entanto, ignoramos que somos escravos da tecnologia e dominados por essa grande potência, mais forte do que qualquer Estado : a internet. Os três « w » mudaram o mundo e o regresso ao passado é inconcebível. Desde 1989 que o universo comunica em uníssono, para o bem e para o mal.

Obviamente que os mais céticos recusam qualquer acesso às redes sociais numa tentativa fracassada de salvaguardarem a sua privacidade. Há também os que sentem orgulho na resistência às compras online. Ou ainda os que não saem de casa sem dinheiro na carteira porque não confiam no cartão bancário. Desconheço como estes últimos tiraram a barriga de misérias durante o confinamento.

Photo : KaDDD

Mesmo os mais incrédulos e recatados são obrigados a admitir que a internet é indissociável da sociedade contemporânea. E duvido que exista um indivíduo na Terra que nunca tenha navegado na rede. Excluindo talvez a maioria dos habitantes da Coreia do Norte e algumas pessoas com mais de 80 anos. E ainda assim, tenho dúvidas… A World Wide Web não é o inimigo público a abater. O perigo reside no que podemos fazer com ela. E tudo isto com a aprovação (lícita) de Sua Majestade Facebook (que detém, entre outros Instagram, WhatsApp e Giphy) e do Rei Google, dono e senhor de quase tudo o resto!

Somos 92%, em todo o mundo, a fazer pesquisas através do Google Chrome e talvez haja até quem desconheça que existem outros motores de pesquisa. O gigante de Mountain View é inteligente, perspicaz e talentoso. Antecipa comportamentos, cria necessidades, controla todos os passos e regista as inúmeras ações dos seus utilizadores. Conhece os nossos gostos e as nossas rotinas. Sabe onde vivemos e com quem partilhamos a casa. Nada do que acontece na internet é fruto do azar. Há uma relação causa-efeito. E para que não corramos o risco de tentar recuperar o nosso destino, os cookies estão lá para nos recordar as nossas pesquisas anteriores. Esses bolinhos deliciosos que podemos consumir sem moderação porque não engordam!

Utilizo a internet diariamente e não imagino a minha vida sem esta ferramenta. Comunicar com a família e os amigos que vivem longe nunca foi tão fácil. Isso não significa que não me preocupe com a utilização da informação registada. Antes pelo contrário. Considero essencial a aplicação do direito à privacidade. Mas as leis são lentas. Os algoritmos terão sempre anos de avanço. O Regulamento Geral da Proteção de Dados, elaborado pela União Europeia em 2016, já está obsoleto. E nem os americanos, que se julgam mais espertos que o resto dos mortais, têm a situação controlada. A Federal Trade Commission tenta travar o monopólio dos super poderosos, mas Google, Facebook, Amazon e companhia pagam multas exorbitantes e fica tudo bem.

Este acordo entre cavalheiros tem uma duração limitada, mas para quando o desfecho? Ninguém sabe! Até lá, o melhor é mesmo viver sem pensar muito no assunto. Por muitas voltas que dermos, big brother is (always) watching us!

Filipa Moreira da Cruz