Antídoto

Deixa-me rir E da monotonia fugirMontada num cavalo de papelCoberto de flores e melÊxtase da doçura!Céu azul pintado com ternuraTodos os dias são uma brincadeiraCom permissão para fazer asneiraErrar é aprenderDar é receberA vida desliza na areia molhadaE nas ondas do mar é enroladaMedos evaporadosSegredos desvendadosPudores disfarçadosObstáculos superadosAconteça o que acontecerSeja o que Deus quiser.Lire la suite « Antídoto »

Casa

Lugar de aconchegoDe festa e de desassossegoLar doce larOnde podemos ser e estarDe pedra ou de madeiraPor uns dias ou para a vida inteiraPara dois, três, quatro, cinco ou seisPara pobres que se sentem como reisOu ricos que mais parecem mendigosDe tão mal agradecidosAzul, verde, ou brancaAquecida pelo sol ou pela chamaDe uma lareira ondeLire la suite « Casa »

Asas quebradas

O anjo voa, embora não tenha asas.Quando a exaustão chega, adormece com a cabeça nas nuvens, ignorando as fortes brasas que lhe queimam os pés.O seu corpo é um imenso mar azul.A sua alma é dourada e leve como a areia da praia num dia de Verão.Não sente calor nem frio.Desconhece a fome e aLire la suite « Asas quebradas »

Grito do Ipiranga

O homem nasceu livre e por toda a parte vive acorrentado. Jean-Jacques Rousseau Sonho em prosaEscrevo em versoA vida nem sempre é rosaE o cérebro é perversoMisturo línguasConfundo expressõesOs nervos à flor da peleContrariam as minhas emoçõesCansei-me de pedir licença para existirFartei-me de caminhar nas pontas dos pésSapatinhos de lã invisíveisJá não quero falar baixinhoLire la suite « Grito do Ipiranga »

Sem medo

Quem tem medo não amaQuem tem medo desandaQuem tem medo esqueceQuem tem medo esmoreceQuem tem medo congelaQuem tem medo tagarelaQuem tem medo excluiQuem tem medo não evoluiQuem tem medo condenaQuem tem medo ordenaQuem tem medo envelheceQuem tem medo não esqueceQuem tem medo julgaQuem tem medo vira pulgaQuem tem medo agrideQuem tem medo não progrideQuem temLire la suite « Sem medo »

Uma casa como a minha

Casa é calma e aconchego?Nem sempreHá casas que são desasossegoE distraem a menteLar doce lar?AlgumasNoutras é um inferno lá morarDuvidas?Queres entrar?Bonita e sofisticada por foraQuando entras, sonhas em ir-te emboraOs que lá moram choram em silêncioDa violência fazem um convênioPrefiro a minha casinhaSimples e pequeninaEm cada canto, respira-se magiaE todos os dias são uma alegria.Lire la suite « Uma casa como a minha »

Superstição

Tenho um segredoA sete chaves fechadoNuma gaveta sem fundoPara sempre guardadoSete dias da semanaSete cores do arco írisSete notas musicaisE que mais? Não tem importânciaA vida é uma inconstânciaE de nada serveFazer uma tempestadeNum copo de águaUm dia temos tudoE no dia seguinteNão temos nada Tenho medo de gatos pretosNão passo debaixo de escadasFujo doLire la suite « Superstição »

Lado lunar

Tu és sol, alegria, vidaA minha luz, o meu guiaConheço o teu risoAdoro as tuas gargalhadasO teu humor, as tuas charadasEstá na hora de partilhares os teus medosQuero perder-me nos teus segredosMais íntimos e profundosSejamos apenas umNão tenhas receioO amor também é feitoDe dúvidas e incertezas São elas que nos dão forçasPara continuar o caminhoComigoLire la suite « Lado lunar »

Créez votre site Web avec WordPress.com
Commencer