Janeiro

Janeiro chegou
Áspero
Austero
Agridoce
Altivo
Janeiro instalou-se
Malancólico
Bucólico
Simbólico
Diabólico
Janeiro permanece
Preguiçoso
Doloroso
Chuvoso
Nervoso.

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz

Talvez…

Photo : Paul Laurent Bressin

Enganar o tempo
Aproveitar este momento
Amarfanhar o futuro
Disparar um tiro no escuro
Ouvir o silêncio
Gritar o que levo dentro
Despistar a sorte
Perder o sul e o norte
Escorregar no fracasso
Dar aquele abraço
Aprender com os erros
Desvendar os segredos
Vaguear pela multidão
Assumir o sim e o não
Enfrentar o medo
Deixar de lado o enredo
Amar o talvez
Uma e outra vez.

Filipa Moreira da Cruz

Bem devagar

Reprise

Photo : KaDDD

Temos pressa de nascer
De crescer e de ser gente grande
Somos todos escravos
Dessa estúpida ansiedade
De desaprender sem antes errar

De chegar bem alto
Sem nunca ter caído
De ser o primeiro sem tropeçar
De ir sempre mais longe
Sem sequer tentar

Pressa de ter e de gastar
De trabalhar e de espezinhar
E de ganhar, sim de ganhar
Pressa de viver
Será?

E quando a morte chega
De mansinho e sem avisar
Já é tarde para darmo-nos conta
Que afinal podíamos ter vivido
Simplesmente bem devagar.

Filipa Moreira da Cruz

Dor

Reprise

Photo : KaDDD

De repente, cai a máscara!
Eu já não sou eu… E ainda bem!
Esqueço os medicamentos e as dores,
Atraso o relógio porque ainda não é hora.

Dissimulo a angústia quotidiana,
Retardo os efeitos secundários,
Saboreio cada instante – porque sei
Que este momento pode ser o último.

Volto a ser criança e sou livre!
Para correr, saltar, dançar.
Fazer trinta por uma linha,
Pintar a manta de várias cores.

Ai se eu soubesse parar o tempo!
Para agarrar o que mais amo.
Desfazer-me de ninharias e futilidades
E chorar muito até limpar a alma.

Que sorte tenho de (ainda) estar viva,
De deslizar ao sabor do vento.
Sem pressa, sem medo, sem desespero,
Sou de novo eu! E ainda bem!

Filipa Moreira da Cruz

Felicidade

Vou contar-te um segredo
Os homens dão a volta ao mundo
Em busca de fama e poder
E num segundo o ter aniquila o ser
Enfiam uma máscara agridoce
Uns dias sai o sol e noutros chove
De repente, o universo torna-se pequeno
A loucura engole o sereno
A alienação espezinha a razão
Colecionam-se coisas e não recordações
Brisam-se corpos e corações
E esses seres insignificantes
Esquecem-se que a vida são meros instantes
A morte, essa sim, é uma certeza
E a lenda reza
Que ninguém cá ficará
Para contar como acabará
Então, não será melhor começar a viver?
Olha ao teu redor
A felicidade tem cheiro e cor!

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz

Antídoto

Deixa-me rir
E da monotonia fugir
Montada num cavalo de papel
Coberto de flores e mel
Êxtase da doçura!
Céu azul pintado com ternura
Todos os dias são uma brincadeira
Com permissão para fazer asneira
Errar é aprender
Dar é receber
A vida desliza na areia molhada
E nas ondas do mar é enrolada
Medos evaporados
Segredos desvendados
Pudores disfarçados
Obstáculos superados
Aconteça o que acontecer
Seja o que Deus quiser.

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz

Poema colorido

Verde é este poema que nos devolve a esperança
Azuis os seus versos onde a minha alma dança
Branco é o silêncio magistral e profundo
De vermelho se veste a raiva que dura um segundo
Cinzentas são as nuvens num dia de tempestade
E de negro se cobre o rosto dos que não encaram a verdade
Rosa é a fragrância das mais belas flores
Violeta é a rainha de todas a cores.

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz

Bem me quero!

Quero-me bem
Nos dias bons
E nos ruins também
Quero-me bem
Quando mostro o meu lado solar
E o lunar também
Quero-me bem
Sozinha ou bem acompanha
E recebo de braços abertos
Quem por bem venha também.

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz

Juicy feelings

Depois da tempestade vem a bonança
Sem a monotonia não haveria mudança
A chuva limpa o corpo e a alma
Trazendo resiliência e calma
Quando termina a dor chega a felicidade
Sem a mentira fica a verdade
Após a infância chega a velhice
Mas antes fazemos muitas tolices
Felizmente!
Sempre!


Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz

Moonspell

Photo : Filipa Moreira da Cruz

Luna hechicera
Fuente de promesas
Ojalá pudiera ser cualquiera
Y pasearme por tus calles desiertas
Luna llena
Felicidad plena
Cuarto menguante
Amor abundante
Luna nueva
Ya quisiera que llueva
Cuarto creciente
Tierra ardiente.

Filipa Moreira da Cruz