Partidas e Chegadas

Reprise

Estação de comboio ou aeroporto
Azáfama, confusão
Do meio de transporte não me ocupo
Viajo com o coração
Despedidas, abraços
Saudades e solidão
Fotografias e retratos
São fonte de inspiração
Recordar é viver
Mas a vida não é um episódio abstrato
As memórias ajudam-nos a ser
Viajantes no tempo e no espaço.

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz

Pintado de azul

Reprise

Azul intenso, profundo…efémero?
Néctar sublime e adúltero
Espelho grande, imenso, infinito
Que cabe no bolso para estar sempre comigo
Um mar de oportunidades
Um oceano de saudades
Um rio de emoções
Um riacho de sensações
Azul de Norte a Sul, de Este a Oeste
Percorreste o mundo, mas regressaste
Devolveste-me o que perdi
Trouxeste o que te implorei
Do meu universo és rei
E não quero viver sem ti.

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz, KaDDD e Paul Laurent Bressin

Tempo é vida

Reprise

Photo : Filipa Moreira da Cruz

Dizem que tempo é dinheiro, mas eu não trocaria nenhuma fortuna pelo tempo que já tive.
Tempo é vida!
Cheguei a tempo ao comboio e ao avião.
Tive tempo para ir ao hospital e de acompanhar a minha mãe no regresso a casa.
Houve tempo para rir e para chorar. Tempo para falar de futilidades e de coisas sérias.
Tempo para matar as saudades e dar de comer à solidão.
Tempo para abraços e beijos.
Gostaria de ter tido ainda mais tempo, mas deste bem precioso não devemos abusar.
Tempo não sobra nem nunca é demais. Tempo é empréstimo para a eternidade.
O que farão os ricos com tanto dinheiro e sem tempo para o gastar?

Filipa Moreira da Cruz

Ai que saudades!

Reprise

Saudades, só portugueses conseguem senti-las bem porque têm essa palavra para dizer que as têm.

Fernando Pessoa

Tenho saudades do que em tempos fui e do que nunca serei
Tenho saudades do que tenho e do que ainda não encontrei
Tenho saudades dos que partiram
Tenho saudades dos que ainda não chegaram
Tenho saudades dos que foram e já não são
Tenho saudades dos que, um dia, serão
Tenho saudades dos fugazes encontros
Tenho saudades dos eternos desencontros
Tenho saudades das terras longínquas
Tenho saudades das conversas ambíguas
Tenho saudades daquele abraço
Tenho saudades de repousar no teu regaço
Tenho saudades da partilha e da comunhão
Tenho saudades, de um dia, conseguir dizer não
Tenho saudades da multidão
Tenho saudades da solidão
Tenho saudades da desconcertante felicidade
Tenho saudades de ter saudade.

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz

Mar adentro

O mar é o habilidoso desenhador de ausências.

Mia Couto
Photo : Filipa Moreira da Cruz

Quando a alma está doente
E a esperança mais ausente
Tranquiliza-me o azul do mar
Sinto-me livre, quase a levitar
Sempre que a saudade me apodera
Mergulho numa quimera
Sou embalada pelas ondas
E esqueço palavras hediondas
Talvez seja o verde esmeralda
Que me tem mantido acordada
Ou será o reflexo na água
Que me devolve a esperança recuperada?
Afortunada sou eu por te ter ao meu lado
Mar adentro, mar abençoado.

Filipa Moreira da Cruz

Saudades

Reprise

Photo : Paul Laurent Bressin

Saudade do Verão
Saudade do cri cri dos grilos
Saudade do reboliço e da confusão
Saudade de comer figos
Saudade do sol e do calor
Saudade de ser criança
Saudade de ignorar a dor
Saudade de não perder a esperança
Saudade de ontem, de hoje e de amanhã
Saudade dos amigos e da família
Saudade de preguiçar de manhã
Saudade de viver sem controlo nem vigília
Saudade da loucura e da imprudência
Saudade de beijos e abraços
Saudade de não pensar em vírus e doença
Saudade de reanudar os laços
Saudade de mim, de ti, de nós
Saudade de fazer a diferença
Saudade de não calar a minha voz.

Filipa Moreira da Cruz

Paris, mon amour

Reprise

Cidade luz, capital do amor e do sublime
Nem sei por onde começar porque não quero que termine
Foste casa, brindaste-me com amigos
Ah e viste nascer os meus filhos!
Sempre que penso em ti fico desamparada
Este namoro dura há anos e eu sem ti sou quase nada.

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz

Ode to my Mother

You are the roots of the most beautiful tree
The branches and the fallen leaves too
Your inconditional love
Heals our deepest wounds
And your long arms
Wrap us in an endless hug
Beyond distance and time
You go through harsh winters
Always with a smile
And hot summers
Are way less brighter
Than your inner light
That keeps shining
No matter what.

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz

Troubled thoughts

Photo : Filipa Moreira da Cruz

Stan and Mathilde keep asking me why they can’t be with the Portuguese family. This Covid thing is taking too long, they say. Lisboa, Tomar, London, Verona… so close and yet… so far!
What’s the point of having two weeks of vacations if we can’t join the ones we love the most, they shoot. Sharp and clear, as usual.
I miss my family and friends that are family too. They are spread all over the world.
That’s the price to pay when you live abroad. Sometimes, it’s just unbearable. Sometimes, it’s too painful.
My soul is shrinking and my body is sore.
We stop counting the days because they turned into weeks, months, years. If only we knew…
For the first time, we are sure that « non andrà tutto bene ».
We will move on, inevitably.
But life will never be the same.

Filipa Moreira da Cruz

Senhor tempo

Quanto tempo tenho para percorrer o mundo?
Quanto tempo tenho para fazer o correto?
Quanto tempo tenho para enganar um segundo?
Quanto tempo tenho para ficar por perto?
Quanto tempo tenho para seguir o meu caminho?
Quanto tempo tenho para estar com as pessoas que me são queridas?
Quanto tempo tenho para ficar sozinho?
Quanto tempo tenho para sarar as feridas?
Quanto tempo tenho para agarrar a felicidade?
Quanto tempo tenho para gozar da liberdade?
Quanto tempo vai durar a saudade?

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz