Ode to my Mother

You are the roots of the most beautiful treeThe branches and the fallen leaves tooYour inconditional love Heals our deepest woundsAnd your long armsWrap us in an endless hugBeyond distance and timeYou go through harsh wintersAlways with a smileAnd hot summersAre way less brighterThan your inner lightThat keeps shiningNo matter what. Filipa Moreira da CruzLire la suite « Ode to my Mother »

Troubled thoughts

Stan and Mathilde keep asking me why they can’t be with the Portuguese family. This Covid thing is taking too long, they say. Lisboa, Tomar, London, Verona… so close and yet… so far! What’s the point of having two weeks of vacations if we can’t join the ones we love the most, they shoot. SharpLire la suite « Troubled thoughts »

Senhor tempo

Quanto tempo tenho para percorrer o mundo?Quanto tempo tenho para fazer o correto?Quanto tempo tenho para enganar um segundo?Quanto tempo tenho para ficar por perto?Quanto tempo tenho para seguir o meu caminho?Quanto tempo tenho para estar com as pessoas que me são queridas?Quanto tempo tenho para ficar sozinho?Quanto tempo tenho para sarar as feridas?Quanto tempoLire la suite « Senhor tempo »

Time is rushing me

I remember so well my childhoodGood old times!Now my children are the ones that shrive meI remember when life was made of endless Summer daysAlthough I’ve always preferred Autumn eveningsI remember playing with my brother and sistersMonopoly would last all night longIt’s still the caseCertain things will never changeI remember when my skin was firmLire la suite « Time is rushing me »

Nostalgia do futuro

Ai se eu soubesseSer sol e luaCéu e marAi se eu soubesseFazer tudo sem pressaBem devagarAi se eu soubesseApagar as chamas do mundoCom garra e genicaAi se eu soubesseTransformar o planeta azul num segundoNo doce lar que nos abrigaAi se eu soubesseLidar com as saudadesSem dor nem tristezaAi se eu soubesseDar a volta às dificuldadesComLire la suite « Nostalgia do futuro »

Para si mãe

Querida mãe,Enviou-me esta fotografia da terra que a acolheuE eu recebo-a com o carinho que sempre me deuEstes versos são insignificantesMas sabe que o amor, esse, é eterno e constanteRegado diariamente com alegria e resiliênciaAlheio a futilidades e prepotênciaO castelo vigia, do alto da colinaA cidade que é sua e quase minhaE a adorada calçadaLire la suite « Para si mãe »

Sentir a vida

Tem cor a tristeza?Tem cheiro a solidão?Tem sabor a beleza?Tem melodia a gratidão?Tem princípio a mudança?Tem fim a saudade?Tem sentido a vingança?Tem mérito a realidade?Tem saída o labirinto?Tem janela o coração?Tem importância o que sinto?Tem brisa o dia de Verão?Tem alma a dor?Tem asas a vitória?Tem corpo o pudor?Tem lógica esta história? Filipa Moreira daLire la suite « Sentir a vida »

Tempo é vida

Dizem que tempo é dinheiro, mas eu não trocaria nenhuma fortuna pelo tempo que já tive.Tempo é vida!Cheguei a tempo ao comboio e ao avião. Tive tempo para ir ao hospital e de acompanhar a minha mãe no regresso a casa. Houve tempo para rir e para chorar. Tempo para falar de futilidades e deLire la suite « Tempo é vida »

Partidas e Chegadas

Estação de comboio ou aeroportoAzáfama, confusãoDo meio de transporte não me ocupoViajo com o coraçãoDespedidas, abraçosSaudades e solidãoFotografias e retratosSão fonte de inspiraçãoRecordar é viverMas a vida não é um episódio abstratoAs memórias ajudam-nos a serViajantes no tempo e no espaço. Filipa Moreira da Cruz Photos : Filipa Moreira da Cruz

Fly away!

Adoro viajar! O avião e o comboio são os meus transportes favoritos. E amanhã vou ter uma dose dos dois! Saint-Malo – Rennes – Paris – Lisboa. A expedição vai ser longa, mas quem corre por gosto não se cansa. Tirei esta fotografia há vários anos, num voo de San Sebastian a Lisboa. Ah, Lisboa…Lire la suite « Fly away! »

Créez votre site Web avec WordPress.com
Commencer