Historias sin fin

Que nunca se apague la esperanzaQue el camino sea más que añoranzaQue no se mueran las flores del jardínNi las historias o leyendas sin finQue nunca nos quiten las estrellas en el cieloNi el amor puro y belloQue no nos fallen las mariposasQue siempre tengamos cosas hermosasQue no se acaben las risas ni las carcajadasQueLire la suite « Historias sin fin »

Ai que saudades!

Saudades, só portugueses conseguem senti-las bem porque têm essa palavra para dizer que as têm. Fernando Pessoa Tenho saudades do que em tempos fui e do que nunca sereiTenho saudades do que tenho e do que ainda não encontreiTenho saudades dos que partiram Tenho saudades dos que ainda não chegaramTenho saudades dos que foram eLire la suite « Ai que saudades! »

Abençoada loucura

Loucos são aqueles que ousam ser felizesE pintam o dia com diferentes matizesFazem as pazes com o medoA vida é um maravilhoso segredoPrestes a ser desvendadoEsse tesouro tão bem aguardadoCabe na mão, no peitoEmbora de infinito seja feitoLoucos são aqueles que buscam a verdadeEm nome da tal liberdadePerseguem sonhos E falam baixinho com anjinhosAcreditam emLire la suite « Abençoada loucura »

A morte pode esperar

A vida não corre, voaE matamos o tempo à toaConversa fiadaGentinha abusadaPensamentos mesquinhosSentimentos reprimidosPara quê?O coração sente, mas não vêE pouco adianta sonharSe nunca vamos acreditarQue melhor é possívelCada dia é imprevisível Não basta quererTemos que fazer acontecerViver é aqui e agoraPara a morte não há hora. Filipa Moreira da Cruz Photos : Filipa MoreiraLire la suite « A morte pode esperar »

Crónica de um país desamparado

As últimas semanas em França foram tudo menos monótonas. O país começou a desconfinar-se no dia 3 de Maio. Este processo vai decorrer em quatro fases e a vida de antes (que nunca será totalmente igual) só será recuperada a partir de 30 de Junho. Até lá, continuaremos a caminhar a passinhos de bebé eLire la suite « Crónica de um país desamparado »

Laberinto

 ¡Libros! ¡Libros! He aquí una palabra mágica que equivale a decir “amor, amor”, y que debían los pueblos pedir como piden pan. Federico García Lorca Me pierdo en su tramaMe desahogo en su dramaMe encuentro en sus enigmasMe lleno de confianza cuando leo sus líneasMe liberto cuando escribo en sus páginasBlancas, amarillas, gruesas o finasMeLire la suite « Laberinto »

23

1 mirada2 besos3 alitas de pollo4 abrazos5 de la tarde6 tazas de té7 olas del mar8 fotos antiguas9 ancianos charlando10 dedos de la mano11 de la noche12 campanadas13 que no sea un martes14 amigos15 calamares fritos16 cucharadas17 kilómetros18 sueños infinitos19 duendes20 lágrimas21 niños jugando22 chistes23 ¿otra vez? Filipa Moreira da Cruz

A porta do paraíso

A vida é feita de escolhasE nossas cúmplices são as folhasOnde escrevemos a nossa históriaCada dia na Terra é uma vitória Segue o teu caminho que eu seguirei o meuProtegida pela natureza e o azul do céu Quero viver em paz com a minha consciênciaOu numa constante penitência?Prefiro a empatia e a modéstiaOu vendo-me aoLire la suite « A porta do paraíso »

Desfolhada

A minha pele tem rugas e fendasOs meus olhos conhecem segredosE apenas tu os desvendas As nossas vidas seguem caminhosQue parecem labirintos intermináveisOs sonhos não se perdemMas alguns erros são irreparáveisAs minhas mãos apenas pedem Que as cuides para sempreBaloiço ao ventoHumor frio, suor quenteRio e choro ao mesmo tempoViajo até à tua mente, masLire la suite « Desfolhada »

Pirâmide

Os povos construiram pirâmides antes de Jesus nascer.Fascínio ou obsessão?Certas coisas na vida acontecem, não se explicam.Uma realidade tridimensional com uma face oculta pela sombra.A Terra gira, o sol comanda e os seres humanos obedecem.Julgamo-nos livres, mas somos escravos das nossas crenças, das nossas ações e, sobretudo do julgamento dos outros.Aprovação ou condenação?O tempo colocaLire la suite « Pirâmide »

Créez votre site Web avec WordPress.com
Commencer