Gratidão

Reprise

Sou grata pelo que tenho
Agredeço tudo o que a vida me oferece
Vivo o presente porque ontem já não me pertence e não sei o que amanhã me reserva
Obrigada!

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz

Antídoto

Deixa-me rir
E da monotonia fugir
Montada num cavalo de papel
Coberto de flores e mel
Êxtase da doçura!
Céu azul pintado com ternura
Todos os dias são uma brincadeira
Com permissão para fazer asneira
Errar é aprender
Dar é receber
A vida desliza na areia molhada
E nas ondas do mar é enrolada
Medos evaporados
Segredos desvendados
Pudores disfarçados
Obstáculos superados
Aconteça o que acontecer
Seja o que Deus quiser.

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz

Animais à solta

A Natureza está louca
Virada de pernas para o ar
Os animais estão à solta
A rir, a correr, a brincar
No parque ou no jardim
Até os pinguins fugiram do frio
Parecem estátuas a olhar para mim
Pensando que o mar é rio
O urso não baixa a guarda, vigia
O coelho esconde-se do leopardo
O burro cuida da sua cria
E o puma corre como um desalmado
A Natureza comanda
Os animais obedecem
Entram felizes na dança
Que os humanos desconhecem.

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz

Libertad

La libertad, Sancho, es uno de los más preciosos dones que a los hombres dieron los cielos: con ella no pueden igualarse los tesoros que encierra la tierra ni el mar encubre.

Miguel de Cervantes – « Don Quijote de La Mancha »

En la bandera de la libertad bordé el amor más grande de mi vida.

Federico García Lorca

Libertad es el derecho que todo hombre tiene a ser honrado, a pensar y a hablar sin hipocrísia.

José Martí

Photos : Filipa Moreira da Cruz

Castelos na areia

Photo : Filipa Moreira da Cruz

Fim de tarde na praia
Longo dia de Verão
O frio mantém-se à raia
Adoro esta estação!
O mar muda de cor
Seguindo caprichos misteriosos
Que não conhecem medo nem rancor
Sábios são os que abrem os olhos
A natureza obedece a leis
Que apenas ela conhece
E os humanos são reis
A quem ela finge que obedece
As crianças fazem castelos na areia
Coitados dos adultos que se esqueceram
Que a vida é feita de brincadeira.

Filipa Moreira da Cruz

Jogo cromático

Verde é a minha esperança
Num mundo mais justo
Azul são os sonhos infinitos
No céu que abraça as nuvens
Verde é a felicidade de rebolar na relva
Num dia de Primavera
Azul é o desejo de ternura
Como o mar que embala os barcos
Verde é a resiliência necessária
Para seguir em frente
Azul é a alma melancólica
Nos dias de chuva
Verde é o corpo nos dias
Em que espreita o sol.

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz

Sentir a vida

Tem cor a tristeza?
Tem cheiro a solidão?
Tem sabor a beleza?
Tem melodia a gratidão?
Tem princípio a mudança?
Tem fim a saudade?
Tem sentido a vingança?
Tem mérito a realidade?
Tem saída o labirinto?
Tem janela o coração?
Tem importância o que sinto?
Tem brisa o dia de Verão?
Tem alma a dor?
Tem asas a vitória?
Tem corpo o pudor?
Tem lógica esta história?

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz

Cheira a vida!

A que cheira o mar?
A que cheira a fruta do pomar?
A que cheira a terra molhada?
A que cheira a rosa mais perfumada?
A que cheira o bosque?
A que cheira o gelado comprado no quiosque?
A que cheira o fogo das chamas?
A que cheira o bebé que tanto amas?
A que cheira o carvão?
A que cheira o sangue que escorre pela mão?
A que cheira o ontem, o hoje e o amanhã?
Se eu soubesse, não perguntaria
E mesmo que tentasse adivinhar, não conseguiria.

P.S. Devido a um traumatismo cerebral perdi o olfato (e 90% da visão do olho direito) quando era bebé.

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz

Palabras en el aire

Hay palabras que son caricias
Suaves y tiernas
Un bálsamo para el alma
Otras son espinas de rosas
Y nos lastiman el corazón
Hay palabras que abren ventanas
Nos hacen volar
Otras cierran puertas
Bajo candado y llave
Hay palabras que son dulces
Como las fresas maduras
Otras son más ácidas que el limón
Hay palabras que construyen puentes
Estrechan caminos y ríos
Otras dibujan fronteras
Que solo existen en la mente perversa
Hay palabras que miman y curan
Y son esas las que quiero escuchar.

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz

El azul del mar

Photo : Paul Laurent Bressin

Todos los días son domingos
Lentos y perezosos
De esos en que hasta hacer nada
nos cuesta trabajo
Los enfados empiezan sin razón
Y terminan con un fuerte abrazo
Sin miedo, miramos hacia adelante
El horizonte es el único testigo
De nuestros sueños más íntimos
El tiempo no corre, vuela
Y la vida es un breve suspiro
¿A qué estamos esperando?
¡Salgamos a disfrutar del azul del mar!

Filipa Moreira da Cruz