Janela indiscreta

Photo : Paul Laurent Bressin

Da minha janela
A vista é singela
Oiço assobios de pássaros
Coleciono pedaços
Cheiro a fragrância da Primavera
Anseio pela doce espera
Da minha janela
A história é digna de uma novela
Um vaivém de gente
Todos seguem a corrente
Um rodopio, uma azáfama
Focos, luz e fama
Da minha janela
A vida é terna e bela
O mar está sempre presente
E eu sou a sua confidente
O sol ilumina os dias mais tristes
Basta-nos coisa pouca para sermos felizes.

Filipa Moreira da Cruz

Mont Saint-Michel

De paseo entre la tierra y el mar
Laberinto de colores, rompecabezas
Verde, azul, ocre y blanco
Te veo sin verte
Te siento sin tocarte
Y tu, te burlas de mi
Juegas al despiste
Te cubres con un fino vielo
Y como si fuera poco
Me enganchas en tu hechizo
Tan cerca y tan lejos
Mágico e inalcanzable.

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz



En el fondo del mar

La libertad es la possibilidad del aislamiento.
Si te resulta imposible vivir solo, naciste esclavo.

Fernando Pessoa

Sigue tu camino
Escucha tu corazón
El sabe cual es tu destino
La vida es una bendición
¿Quién dijo que iba a ser fácil?
Si te caes, velves a levantarte
Tu cuerpo es ligero y tu espíritu es ágil
Si no eres feliz aqui, no lo serás en ninguna otra parte
Mira el mar, azul y profundo
Es el espejo de nuestras vidas
El océano domina el mundo
Y nosostros somos hechos de cosas sencillas
¿ A qué esperas?
Cierra los ojos y respira hondo
Son tus guías tus piernas
Tirate a ese pozo sin fondo.

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz

Verde é esperança

Reprise

Visto-me de verde da cabeça aos pés
Fecho os olhos e conto até três
Paz, serenidade, perseverança
Empatia, solidariedade, confiança
Cair 100 vezes e levantar-se 101
Ter uma mão cheia de nada
E outra de coisa nenhuma
A vida é uma festa, um milagre, uma surpresa
Começa por acaso e acaba depressa.

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz, KaDDD e Paul Laurent Bressin

Ontem foi assim…

Reprise

Oscilamos entre a nostalgia do passado e a angústia do futuro e esquecemo-nos de viver o agora.

Maria Margarida Moreira da Cruz (a minha mãe)

Photos : Filipa Moreira da Cruz

Beco sem saída

Reprise

Photo : Filipa Moreira da Cruz

Estou num beco sem saída
Encurralada entre quatro paredes
Caminho num túnel sem luz
E a solidão é a minha única companhia

Tu crias a tua melodia
Tu voas com as tuas próprias asas
Tu pintas o teu quadro

Certas palavras são carícias para os ouvidos
Outras apenas ruído
Tu escolhes as que queres ouvir

Há gestos que curam as feridas mais profundas
Outros quase matam, de tão bruscos
Tu escolhes os que queres receber

Tu escreves o teu livro
Tu desenhas o teu esboço
Tu traças o teu caminho

Algumas imagens trazem paz
Mas tantas apenas humilham
Tu escolhes as que queres ver

Existem pessoas que iluminam
Outras que só partilham escuridão
Tu escolhes as que queres ter na tua vida

Não estás num beco sem saída
Não caminhas na sombra
Tens o coração sempre contigo.

Filipa Moreira da Cruz

…e fiquei a ouvir as ondas do mar…

Deus ao mar o perigo e o abismo deu, mas nele é que espelhou o céu.

Fernando Pessoa
Photo : Filipa Moreira da Cruz

Sentada numa rocha
Ansiando por liberdade
O cenário é mágico
E eu respiro serenidade

Oiço o bater das ondas
O zumzum das abelhas
O corropio das gaivotas
E o assobio do vento

O sol esconde-se
Entre a fina bruma
E o céu veste-se
De um azul intenso

O meu corpo não existe
Sou leve como a alma
Não choro, não sofro, não resisto
Não acordo nem adormeço

Sinto-me a navegar
Atravesso mares e continentes
Sobrevoo as montanhas
Embalada pelas ondas do mar.

Filipa Moreira da Cruz

Diapasão

Photo : Filipa Moreira da Cruz

Um sopro
Sem fôlego
Uma vontade
Partilhada
Um desejo
Reprimido
Uma aventura
Inacabada
Um sonho
Impossível
Um passeio
Sem rumo
Um mundo
Em guerra
Uma casa
Sem paz
Um minuto
Sem segundo
Uma vida
A minha?
A tua?
Tanto faz!

Filipa Moreira da Cruz

Serenidade

Reprise

Percorro as ruas desertas da cidade
Um templo de paz e de serenidade
Subo colinas, ruelas e muralhas
Liberto-me das minhas antranhas
Abrigo-me nas suas artérias
Quem me dera regressar a estas férias!
Os jardins estão imaculadamente
Limpos e ordenados
Silêncio, que se vai cantar o fado?
Sinto falta do barulho, da confusão
Não sou capaz de ouvir o meu coração
Sonho ou realidade?
Pouco importa!
Estou apaixonada pela cidade.

Filipa Moreira da Cruz

Photos : Filipa Moreira da Cruz

Raíces

Me miras y tiemblo
Me tocas y vacilo
Sin ti me muero a fuego lento
Contigo no estoy tranquilo
Busco mi camino
No encuentro
La paz de espíritu
Necesito tranquilidad
Y saber la verdad
¿Quien soy?
¿De dónde vengo?
Quiero estar a solas
Y soltar mis alas
Libertame de tus prejuicios
¡Te ruego, dejame volar!

Filipa Moreira da Cruz

Photos: Filipa Moreira da Cruz